quinta-feira, fevereiro 22, 2007

Sou quilombola Beija-Flor
Sangue de rei, comunidade
Obatalá anunciou
Já raiou o sol da liberdade.

Áfricas: do berço real à Corte Brasiliana

Quando eu era criança, até uns 10, 11 anos, brincava o carnaval na varanda da minha casa. Minha mãe comprava fantasia e meu pai o disco dos sambas de enredo, eu enfeitava a varanda com confeti e serpentina, chamava algumas vizinhas e fazia o carnaval.

Na época para mim era apenas uma farra como qualquer criança gosta. Eu cantava os sambas, e nem sabia direito o significado. Mas não assistia aos desfiles.

Depois, maiorzinha, minha mãe me levava aos bailes nos clubes, o carnaval começava domingo, havia matineés no domingo e na terça. Um pouco "mais maiorzinha", eu ia pros clubes sozinha. Mas nunca gostei de desfile de escolas de samba.

Sinceramente, nunca consegui interpretar muito bem a estória que as escolas contavam sem a ajuda dos narradores da televisão. Olhar para aqueles carros e fantasias não me diz muita coisa.

Como as escolas de samba conseguem fazer aquilo tudo baseados numa música composta por 6, 8 pessoas, onde a maioria das palavras vêm de algum dialeto africano ou são: negro, açoite, guerreiros, berço do samba, liberdade, mistério e magia.

Bem, deixa prá lá que isso não é nenhum tratado sobre carnaval. São apenas coisas que eu não consigo entender...

É claro que há exceções. Prá não falar mal demais, deixo a letra de um samba de 1978 da União da Ilha do Governador, cuja letra eu acho muito bonitinha. Ah o compositor é um só!!

O amanhã

A cigana leu o meu destino
Eu sonhei
Bola de cristal
Jogo de búzios, cartomante
Eu sempre perguntei
O que será do amanhã
Como vai ser o meu destino
Já desfolhei o mal-me-quer
Primeiro amor de um menino
E vai chegando o amanhecer
Leio a mensagem zodiacal
E o realejo diz
Que eu serei feliz

Como será o amanhã
Responda quem puder
O que irá me acontecer
O meu destino será como
Deus quiser (bis)

7 comentários:

Sujeito Oculto disse...

Não é à tôa que surgiu o Samba do Crioulo Doido. Já prestou atenção às letras dos sambas-enredo?

João Junior disse...

Tempo bom esse em que as letras de samba não exigiam um mestrado em etimologia pra ser compreendidas...Hoje é uma coisa de multiplicidade das homeotermias homeotérmicas e coisas do tipo...

Andorinha... disse...

J@de, que bela lembrança esta sua. Lembro desta música cantada pela Simone, está correto!?
Quanto à vencedora deste ano, torci, urrei e fiquei feliz com a vitória da Beija-Flor!
Também, abençoada por todos os orixás, chega a ser covardia com as outras...
Tadinha da minha tb querida verde e rosa...
Beijos!

PS: O negócio aqui foi torcer pra Vai-Vai e pra Gaviões voltar ao desfile...

Beto disse...

É verdade...a cada ano que passa me dá a sensação que as letras de samba são iguais. A melodia então nem se fala. Mas descobri um lado do carnaval que foge a essa regra: os blocos de rua. Os sambas são bem diferentes, cada um com sua magia. E carnaval é isso. É povo. É rua. E não aquilo pra inglês ver que a Globo coloca em nossos lares todo santo ano.
bjus

Joana disse...

adoro essa música! oiço desde menina! faz mesmo lembrar carnaval e Brasil! :)
Bjinhos

Dono do Bar disse...

Mesmo sendo Beija-Flor, a melhor lembrança que eu tenho do Carnaval está perdida na infância, quando com 9 anos, fica assistindo o desfile na Marquês de Sapucaí até cair no sono. Foi aí que me encantei com a Beija.

Beijos-Flor!

DB.

Emilia disse...

J@de,Vc conseguiu uma proeza: me pôs a cantar ao ler seu post!! Fiquei toda contente por conseguir cantar esse samba lindo e agora vou adormecer cantando cá para dentro e lembrando de você.
Bjo.