segunda-feira, outubro 29, 2007

Psoríase, uma visão mais do pessoal.

"Days are numbers
Count the stars
We can only go so far
One day, you'll know where you are"
Days are nunbers (The Traveller)
The Alan Parsons Project


É hoje.
Dia Nacional de combate à psoríase. Psô o que? Diabéisso?

Psoríase é uma doença, feia, chata, xixi-coco que dá na pele de 2 a 3% da população. Indiscriminadamente ataca qualquer um!! É de origem genética, mas dá em pessoas de pouca auto-estima, ou acaba com ela.

Momentos marcantes podem desencadear a primeira crise. O meu foi o casamento. Casei-me para manter tabus nos quais eu não acreditava mais. E por me violentar, puni meu corpo.

Podia ter passado a vida inteira sem nenhuma crise, podia ter tido uma apenas, tratado e nunca mais ter nada. Dezesseis anos e milhões de tratamentos depois, continuo tendo crises de tempos em tempos.

Não existe tratamento ideal, existe um momento ideal para assimilação de um tratamento. Meu melhor tratamento foi um comprimido que depois de três anos precisei suspender.

Adaptei-me a outro tratamento e estive em remissão até julho desse ano. Os remédios do capeta, o frio, o afastamento do ficante, a falta de dinheiro, foram muitos os fatores que me trouxeram a essa crise atual. Até o final do ano espero melhorar.

Tenho uns dez conhecidos que têm psoríase, todos inconformados como eu. Mas uma delas muito tem me incomodado ultimamente com sua falta total de aceitação. Uma vez ela me pediu para mostrar minhas lesões e disse para a mãe: "tá vendo mãe, ela está muito, mas muito pior que eu, não está mãe, não está?" Ela não se aceita e a puta da mãe muito menos!!

Sábado ela me avisou que haveria um evento aqui no Centro sobre o dia e completou: "imagina, será o circo dos horrores"! Não preciso dizer que até esqueci de ir no caralho do evento né?

É uma doença filhadaputa sim, me deixa feia com pouca auto-estima, espanta os outros e atrai perguntas que não tenho vontade de responder!! Fez eu me envolver com os piores seres humanos, porque acho que os mais equilibrados terão nojo de mim.

Minha doença responde diretamente às minhas relações pessoais. O importante, o mais importante é você aceitar que tem uma doença e que a única coisa que se pode fazer é cuidar. Mas não vou bancar a empolgada, bem-humorada que vive muito bem com sua doença porque eu não vivo, mas essa vaca me deixou detonada!!

Quarentona e com a pele cheia de feridas... não preciso ter medo de me envolver em outro relacionamento e sofrer, porque não preciso me afastar de ninguém... a natureza já se encarregou disso!!

Foda-se!!

3 comentários:

Codinome Beija-Flor disse...

Oi,
Vou falar com vc sobre isso.
Quem sabe a gente resolve isso um pouco.

Bjos

drika disse...

bom, eu realmente não sei o q dizer.
mas pelas palavras aqui, nem parece você.
e se é ligado a auto-estima, c não acha q tá na hora de melhorar a sua, pra diminuir a doença?
ñ sei, meu último relacionamento detonou a minha auto-estima completamente. foram 6 anos de deterioração. e ainda sofro um pouco as sequelas. ñ se compara a isso, mas se amar acima de tudo e todos é o mais importante. e com isso, se supera muitos problemas.
eu acho. pelo menos.
espero que fique tudo bem logo.
beijo enorme.

ah, e ela só conseguiu te atingir, pq vc está se sentindo mal.
eu li uma coisa (quase) assim:
a ofensa é como um presente.
se vc ñ o aceita, ele pertence a pessoa q quer entregar. ñ se deixe abater pq tem gente q precisa disso pra se sentir melhor.

Solange A. disse...

Pati, é lógico que não queria que você sofresse deste mal. Mas acho bacana um post como esse, que nos informa e nos dá uma visão melhor sobre a doença, através da suas experiências.

O importante é que você esteja lutando!

Beijos