domingo, julho 26, 2009

Lidando com o ódio alheio

"Quando você descobre o ódio, se você permite que ele tenha um poder sobre você, você está estabelecendo um vínculo com a pessoa que lhe odeia. E com a pessoa que a gente odeia, nós não podemos ter vínculos, senão ela começa a ter poder de destruição sobre você." Padre Fábio de Melo

Agradecimentos à Esfinge pela indicação do blog.

Às vezes eu me questiono se houve algum sentido em ter encontrado certa pessoa nesse ou naquele momento da minha vida... se são desígnios de Deus, forças do Universo, atração pessoal no momento ou apenas uma grande sacanagem da natureza.

Muito do que eu escrevo parece ter endereço certo e muitas vezes tem, mas a carapuça serve em quem quiser vesti-la, e muito pouca gente que lê meu blog convive comigo e quase tudo que eu escrevo é relacionado à minha experiência.

Então antes de ser um ataque pessoal, são questionamentos, desabafos, descobertas pessoais. E ninguém, ou quase ninguém gosta de ouvir, prefere se iludir. O problema é de cada um.

Ao longo dos anos eu destino meu carinho a qualquer um, mas poucos merecem meu amor incondicional. E por incondicional eu eu quero dizer sem preconceitos, e "não fique à vontade para cagar na minha cabeça", eu não sou santa eu heim!!

Há quem fique com raiva, ódio até, queira esquecer minha existência, ou colocar em mim a culpa por sua própria instabilidade ou imaturidade para se afastar e não me ouvir mais, mas eu falo porque tenho boca (nesse caso, dedos). Conheço um um velho ditado (racista que só) que diz: "eu deixei de ser branca para ser franca".

E não há nada que eu possa fazer. Num post anterior eu disse que já perdi contatos porque eu falo a verdade e se a franqueza não for o ponto principal de qualquer relacionamento, é preferível não ter mesmo nenhum relacionamento comigo.

Tento ser delicada, mas eu estou pra conhecer a pessoa que não fica com raiva quando vê seus pontos ruins determinados bela boca de outra, eu também não, mas Marcinha e a Esfinge podem confirmar que eu sei ouvir.

E nenhuma delas vai perder minha amizade porque me mostraram pontos negativos que após minha análise eu pude melhorar ou até me conformar que não posso fazer nada sobre isso nesse momento.

Enfim, essa palestra caiu hoje em mim como uma luva. Desde o começo desse ano eu já perdi contato com algumas pessoas, de outras ainda não consegui me afastar, o trabalho é meu e só eu poderei fazê-lo.

Mas para se afastar de alguém é preciso ter certeza de que é porque essa pessoa lhe fez mal e não apenas porque está com raivinha do que ela lhe disse ou porque ela não quer mais aturar suas sacanagens.

"Ninguém fica ruim da noite para o dia. A maldade vai entrando em nós é aos poucos assim como a bondade também." Padre Fábio de Melo

8 comentários:

Codinome Beija-Flor disse...

Respirando fundo do lado de cá!
Como a TPM tá aqui, eu acabo senso mais chorona do que de costume.
Mas hoje é choro bom, choro de emoção.
Eu sei o quanto você sabe ouvir, o quanto nos permite colocar o dedo nas suas feiradas e aceita quando dizemos que é preciso um remédio mais amargo e que arda mais.
Mas do que adiantaria nossa "amizade"?! Só para tomar chocolate quente na Colombo? (Hmmm! já deu saudade), nossa amizade permite isso mesmo, apontarmos uma para a outra as nossas falhas, nossos erros, o melhor é que tem dado certo , não é?
Te falei que iria gostar das palestras, pois ele não vem com o peso da religião, não vem querendo nos converter a ser católicos ou isso ou aquilo.
O "Danado" (na melhor forma de se achar alguém danado de bom), é que ele fala é pro nosso coração e alma, aos poucos vamos aprendendo que sempre há uma nova oportunidade.
Beijo enorme

Marcinha disse...

Oi miga!

Eu já te falei muitas coisas duras! E você nunca se aborreceu comigo. Acho até que em certos momentos peguei pesado, mas é que tenho como princípio falar, para quem considero amigo, o que realmente acho de uma situação e não ficar malhando pelas costas.

Uma coisa é certa, miga. Se alguém não quer ouvir o que você tem a dizer é porque nem vale à pena gastar saliva.

Quanto ao mal que que te dirigem, tente neutralizá-lo virando as costas simplesmente.

Beijos

paulo disse...

Quando se fala a verdade, quando se tenta não ser hipócrita é que muitos se afastam. E até é bom que assim aconteça.

Gostei do artigo

Gambita disse...

teu posto veio tao bem a calhar no dia de hoje...qdo descobri que nem tão boa era uma pessoa.
ces´t la vie

bjinhos

Dama de Cinzas disse...

O problema maior é não deixar a raiva que sentimos pelos outros nos fazer mal!!! Porque a raiva dos outros pela a gente, não to nem aí... ahahahah

Beijocas

Da Silva disse...

Mostrar que aquela raiva que a pessoa sente te afeta é acusar o golpe. Ignore, ou pelo menos finja que ignora.

Mas cuidado, procure saber se você, mesmo sem querer, não deu nenhum motivo para a pessoa sentir isso.

bjs e boa semana

Taw disse...

Sentimento é algo realmente interessante... pode-se escrever muita coisas sobre isso...

Mas ler sobre sentimento ligado ao comportamento [redundantemente prático] leva-me a um investimento muito positivo do meu tempo de raciocínio... pensar sobre isso é melhor que descansar a mente... xD


:-P

Rubi disse...

E ja agora, Jade, pode partilhar o blogue comigo tambem?

Abraco