sexta-feira, abril 23, 2010

Depressiva? É sou sim. Amargurada? Nunca!!

Namoram desde o segundo grau. Ele fez medicina e ela esperou ele se formar, fazer residência, montar o consultório. Ela é católica, ele é diácono. Pararam de fumar e fumam charutos uma vez por mês. Toda semana deixam as filhas com a babá e saem sozinhos. Estão casados há 20 anos.

Ela adora música clássica e sempre vai aos concertos. Ele é músico e reparou nela nesses concertos. Deu um jeito de falar com ela e estão namorando.

Eles se conheceram numa viagem de ônibus. Um ano depois encontraram-se novamente e ele fez questão de pegar seu telefone porque da primeira vez não deu. Ligou para ela, saíram algumas vezes. Estão namorando. Ela foi na casa dele e ele tem mania de limpeza como ela.

Ela trabalhava no bar onde ele almoçava e ficaram amigos. Adoram micaretas, boates, festas e todo tipo de agitação. Ele percebeu que gostava dela, dedicou-se a conquistá-la. Casaram-se.

Acho que só nas leis da física os opostos se atraem. Quando eu era jovem, achava que era isso mesmo, achava até que havia um certo charme em me apaixonar por alguém tão diferente de mim.

Mas minha avó dizia: "semelhante atrai semelhante", mesmo assim; quantas vezes eu investi em relações sem nenhum futuro porque era excitante me apaixonar por caras tão diferentes!

Eu achava que era assim ué!! Relações cansativas e desgastantes que minavam a auto-estima e abalavam o amor-próprio. Relações cuja recíproca eu só enxergava enquanto durava a paixão...

Por favor, essas são considerações de alguém prestes a fazer 46 anos, eu não sabia disso 30 anos atrás!! Nunca fui burra, mas era imatura emocionalmente.

Enfim, eu adoooooro comédias românticas, já falei isso, mas o que eu gosto mesmo é de conhecer as histórias de amor reais, como essas que eu contei lá em cima!

E embora minha vida sentimental até hoje tenha sido uma merda, quando alguém começa a me contar sua história eu paro e ouço tão feliz que até pareço Pollyana, que nem nunca li!!

Eu sei que quanto mais velha, menos chances de encontrar alguém legal... ah mas não custa achar que um dia pode ser minha vez, né?

Em tempo: Hoje é dia de São Jorge eu estou trabalhando mas é feriado aqui no Rio, e domingo é o meu dia quem quiser, pode mandar presentes!!

6 comentários:

Emília disse...

Aqui vai meu presente para domingo: um abraço bem grande!!!

Dama de Cinzas disse...

Eu nem sei o que dizer... Às vezes sinto falta de um cara legal, outras vezes acho que nasci mesmo pra ficar sozinha... De qualquer maneira ser só, no sentido amoroso, não é algo que me traga qualquer amargura... Uma tristezinha de vez em quando... rs

O abraço do aniversário eu te dou no domingo... rs

Beijocas

Codinome Beija-Flor disse...

Hmmm!!! Pensa que só vc demorou pra aprender ???
Mas sempre é tempo para amar.

* Eu tô achando que um dos seus personagens deste post tem algo parecido comigo rsrsr

Beijos

Le Vautour disse...

Estranho, né? Sei lá o que nos atrai nas pessoas, pois há tantas semelhanças e diferenças entre nós o ser com quem estamos, viu?
Deve ser o tal do terceiro sininho, ou um 'não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como e dói não sei por quê', ou algo assim.
Passa o tempo e fica mais difícil? Será? Conheço tantas pessoas que só acharam sua dileta metade às vésperas da terceira idade. Espírito não envelhce, não! Ânimo aí, que um dia a coisa aparece (ou O coisa, vai saber, né?). Mas enquanto não chega o prato principal, de repente você pode ir beliscando o couvert. Hehehehe!
Abração!

Mari disse...

Beijos pra você e o filhote lindo que você tem! Saudades docês!

Suzi disse...

Poxa... e eu só chegando aqui trocentos dias depois do aniversário...
Mas é que às vezes a gente se atrasa mesmo, na vida, né? Mesmo assim, continuo achando que não perdi o bonde da história (de amor). Só me atrasei. Pego o próximo...