sexta-feira, julho 15, 2011

Repost: A quem interessar possa!!

Quem tem um blog tão pessoal e há tantos anos como eu, deveria, de tempos em tempos, reler seus posts, rever suas impressões, sua evolução "enquanto ser humano, a nível de pessoa" (sic), ou mesmo pesquisar, quando se está sem muito o que dizer...

Na real eu estava procurando uma outra coisa quando dei de cara com o post que resolvi republicar.

Gente, eu até achei que não tinha sido eu que tinha escrito, mas quando chegou no: "Aí fodeu" eu lembrei que escrevi sim!!

Enfim... eu já fui casada, já morei com um namorado, optei por não viver com ninguém. Não sei o que o futuro me reserva, nada é escrito em pedra, mas quanto mais eu observo a relação de pessoas próximas, mais confirmo minha escolha.

Segue o porque...

Andei lendo uns blogs por aí, não vou nomear, porque meu intuito não é criticar, cada um com seu cada um, mas antes elaborar, para mim mesma e para quem quiser, algumas constatações...

Relações humanas são difíceis, seres humanos são complicados, e relacionamentos amorosos tornam-se impossíveis quando não existe um mínimo de equilíbrio de ambos para levá-lo de forma saudável.

Se um joga no outro o peso emocional da relação, deposita no outro seus sonhos e frustrações, cobra cuidado, resoluções, proteção, quer que o outro adivinhe seus pensamentos e ainda por cima desconta no outro tudo de ruim que acontece em sua vida, essa relação pode até durar, o casal pode passar 50 anos juntos, mas nunca será um relacionamento amoroso.

Haverá violência, traição, desrespeito, desamor e dependência. Se alguém caiu por acaso numa situação dessas, consegue sair rápido dessa relação. Mas se a dependência for mútua, o relacionamento vai durar, ainda que sentido-se mal com essas cobranças, o outro acha que amar é assim, e até sente-se bem porque alguém exige tanto de si.

Sair é difícil, precisa de coragem, força, auto-estima em alta!! Ainda havendo coragem para terminar, sofre, sente pena, culpa-se, deixa-se chantagear, não consegue se afastar.

E volta atrás, na ilusão de que a relação será gratificante, porque, se nos contos de fada todos são felizes para sempre, e se o outro diz que você é seu/a príncipe/princesa, porque é que todos os dias não são felizes?

Porque há dias em que o outro faz você sentir-se miserável, arrependido de estar vivo nesse mundo? Carente, doente, deprimido e mal-amado e ainda por cima responsável pela vida do outro que sempre diz "que não é nada sem você, que você o faz sentir-se uma pessoa melhor?"

Corta-se o mal pela raiz, afinal se alguém "não é nada sem você" para que ele lhe serve? Um tem que ser completo para ficar com outro. Ou complementa-se o ciclo, porque se um aceitou essa referência, pode ser por querer saber-se indispensável na vida de outrem.

Aí fodeu!! Um alimenta o comportamento do outro, pelo prazer de saber-se querido, por infantilidade ou porque tem tão pouco amor-próprio que precisa saber-se amado, tanto quanto o outro que pensa que precisa dele para ser "uma pessoa melhor".

A paixão confunde e um acha que conhece o outro, melhor do que o próprio, analisa o outro o tempo inteiro, na hora que ele não age da maneira desejada, mas da maneira prevista.

Do que adianta achar que conhece o outro e pensar: "ele me ama, mas está com medo, por isso foge, não se entrega". Pois bem, você nunca terá com essa pessoa uma relação completa!! Porquê?

Porque relações humanas são difíceis, seres humanos são complicados, e relacionamentos amorosos tornam-se impossíveis quando não existe um mínimo de equilíbrio de ambos para levá-lo de forma saudável.

De toda essa análise chego à conclusão que já comportei-me assim, que comportaram-se assim comigo, já corri de alguns e certamente já correram de mim!!

Uma relação sadia tem que começar com muito amor-próprio e auto-estima. Só e tão somente depois dessas conquistas estaremos prontos para conquistar alguém e amar verdadeiramente. Nossa vida estará completa e estar com o outro será sempre a realização de um prazer e nunca uma forma de opressão.

9 comentários:

Suzi disse...

Rs!!!

Rodamos, rodamos, rodamos e sempre questionamos os relacionamentos, os humanos, os sentimentos subjetivos e que na verdade nem sabemos direito decifrá-los, enfim... Tenta-se!!!

Revivi até algo neste post. Namorei por 1 ano e meio e, de repente, meu companheiro diz que quer terminar. Até então, eu pensei que tudo era baseado em um conto de fadas. Fiquei puta da vida, mas concedi o que ele me pediu!!!
Passei três meses muito mal, repensando o que eu fiz ou o que aconteceu para a pessoa ter uma atitude dessas. Depois de um tempo, consegui dar a volta por cima, porém foi neste instante que eu percebi que, eu também tive parte neste rompimento, ainda que não diretamente, mas eu tive!
A minha obsessão em sempre estar com a pessoa e o meu ciúmes em relações às amizades dele. Percebi que eu era uma chupa cabra, na realidade.
Comecei a viver a minha vida. Porém, um belo dia, ele surge. Pedindo para voltar, lamentando-se pelas ações, mas que precisava ser feito, pois ele estava se sentindo sufocado!
Analisamos a situação, conversamos durante um mês sobre a possível reconciliação...
Pois bem, decidimos dar uma chance a nós.
Há dois dias, completamos 2 anos! Todos os dias é um constante aprendizado, visto que queremos que a relação vá para a frente. Temos diferenças sim, (quem não tem?), mas o nosso segredo chama-se "conversar"...
O importante é: há o amor, o esforço das duas partes, e principalmente, a tolerância que aprendemos a usar. (Principalmente, da parte dele, pois sempre era que relevava,mas agora, ele conseguiu usá-lo a seu favor!)

Post coerente!!

Beijos!

Flávia - Compartilhando Idéias... disse...

"...afinal se alguém "não é nada sem você" para que ele lhe serve?"

Jade, esta frase me chamou muito a atenção. Tem tanta gente que repete: "Não sou nada sem você" e quem ouve se sente nas nuvens!!!

Engraçado que quando jovens, vivemos tão intensamente e inconsequentemente as coisas, que não paramos para realmente ouvir aquilo que estão nos dizendo e achamos tudo lindo, aí vêm as ilusões, etc....

Depois de uma certa idade e muito "calejar" nos tornamos pessoas mais experientes, quem sabe até mais exigentes e aprendemos a ter um ouvido mais crítico.

Hoje em dia essa frase: "Não sou nada sem voce" nos espanta!!! kkk
E graças a Deus né Jade??? rs

Esse post que você repostou aqui é maravilhoso e só poderia ter sido escrito por uma mulher (que é seu caso) vivida, madura e calejada (como diz minha mãe).

Racionalizamos mais a relação e aprendemos que os dois lados devem ser equilibrados para o sucesso da união.

Parabéns querida.
Adoro ler suas reflexões.
Bj

Cacá - José Cláudio disse...

Eu encaro estas relações como um retorno à condição de bebê que precisa de amparo e proteção. Parece uma transferência de carências não supridas na infância para o relacionamenteo adulto. Só a psicanálise e a filosofia para resolverem. Mas como as pessoas (a maioria) não estão dispostas a enfrentarem-se no processo de auto-conhecimento, o negócio é ir vivendo e arranjando culpados.
Bela e profunda a crônica, Jade. Abraços. az e bem.

VaneZa disse...

Concordo quando diz que a gente precisa se amar primeiro para depois poder amar o outro. O problema é que muitas vezes os relacionamentos chegam antes da gente ter aprendido a se a amar, daí vêm as dependências e todo o resto... e quando se está no meio do furacão, é difícil sair.

BeijoZzz

C. disse...

Seria repetitivo comentar as mesmas coisas que Cacá e Vaneza, mas penso a mesma coisa.

Essa fonte do texto que você usa é diferente, mas ilegível. Foi só uma observacao ;)

Flávia - Compartilhando Idéias... disse...

Oi Jade! Tudo bem querida?
Obrigada pelo comentário lá no blog viu? Esses gatinhos foram um presente pra nós! Bjs

O Guri disse...

Opa!

Não sei o que dizer... sei lá, eu penso igual mas não quero estudar essa matéria agora. Depois eu volto!

C. disse...

Oi Jade,
voltando aqui hoje me deparei novamente com esse (belo) post, e que por acaso hoje postei sobre a blogosfera também hehe

# Eu gostei da mudança que fez na fonte da letrinha ;)

Mulher de Fases™ disse...

Acabei de comentar no blog da Dama q eu não gosto de ler meus antigos posts ...