segunda-feira, maio 12, 2008

Saia desta vida de migalhas
Desses homens que te tratam
Como um vento que passou

Mulher sem razão
Adriana Calcanhotto

Quem foi criado numa família equilibrada, cercado de amor, com um pai verdadeiramente presente, irmãos amorosos, talvez nunca entenda do que eu estou falando, mas conheço muita gente que vai se afinar com a história.

Deixar crescer aquela criança que esperava um dia ser a preferida, não preterida, aprender a ter uma auto-estima firme e pouco abalável, auto-confiança e segurança, ainda ter cuidado para não me tornar amargurada, desconfiada de tudo, achando que nunca serei uma pessoa completa e feliz comigo mesma demorou!!

Não me confundir esperando encontrar a felicidade lá fora, em vez de em mim mesma, foi difícil e dolorido, e para os cheios de marra, arrogantes e ignorantes de plantão, não basta só querer não, tá??

Aceitei pouco, foi assim que eu cresci, recebendo atenção de qualquer jeito, restos de amor, à moda caralha!! Transferi o desejo de ser amada para os relacionamentos, na família, em algum momento percebi que nunca seria.

Casei e separei-me quando vi que seguia a vida que eu já tinha, preterida, desrespeitada, do jeito que minha auto-estima estava acostumada.

Na separação, sabia que queria um relacionamento com um homem independente, que soubesse amar, dar atenção, carinho, coisa que já é difícil pros homens fazerem, mas existem homens que sabem!!

O que encontrei e encontro até hoje, são homens dependentes e manipuladores que não me respeitam. E me envolvi, e para me livrar deles era um inferno, porque depois que eu me envolvia, acabava voltando ao meu momento anterios, aquela criança que aceitava pouco.

Mas a responsabilidade maior era minha, porque ninguém vai lhe muito, se você se contenta com pouco. Nem muito amor, nem muito respeito, nem muito carinho, nem mesmo muito sexo. Eu aceitava pouco porque achava que assim, a coisa evoluiria e então eu teria.

Não é assim!! Ou a relação é completa desde o começo, ou nunca vai ser.

Bem, tudo foi dito porque vivi um acontecimento marcante, uma grande vitória emocional, um passo, embora tardio, bastante grande no caminho do amadurecimento, auto-conhecimento, amor próprio e da auto-estima. Para ter tudo!!

Trabalhei muito na quinta-feira, então resolvi tomar uma cerveja prá relaxar e dar sono, porque eu estava muito elétrica. O cara do namoro que durou 5 dias também estava no bar, ficamos de papo furado, porque para mim, o caso já estava encerradoo.

Mas esse tipo de homem não desiste, fica me rodeando, afinal, eu estou ali, sempre a disposição com minha pouca auto-estima aceitando as pouca merda que ele tem prá me dar, desde que eu alimente o egozinho de merda dele, certo??

Errado, esqueceram do que eu disse lá em cima?? Eu aprendi ué!! Lá pelas onze da noite, eu já ia embora, e saindo do banheiro ele me aborda:

- Pati, e aí, vamos embora?
- Hã?? Tá maluco Alê?
- Não, vamos embora, tirar um sarrinho no portão.
- Ale, vá pro banheiro, quando você voltar eu falo com você.
Volta ele do banheiro:
- E aí Pati, vamos?
- Não.
- Hã? Vamos, Pati, já é tarde, amanhã eu preciso acordar cedo, a gente tira um sarrinho no portão.
- Sabe qual é Alê? Eu vou mandar a real pra você (quando eu tô com raiva, eu viro um malandro de rua e falo tudo que é gíria)!! Ou você quer ter alguma coisa séria e decente comigo, ou você quer ser meu coleguinha de bar!!
- Hã? Queisso Pati!!
- Queisso não, piranhagem comigo não, eu não quero!! Ou é ter alguma coisa direita, ou é coleguinha de bar!!
- Hã, heim, hum... tá, Pati, coleguinha de bar!!
- Então tá ótimo, somos coleguinhas de bar!!

Ele foi embora com cara de cachorro que caiu do caminhão de mudança, não botou mais o pé no bar até ontem de noite!!

Ontem passei pelo bar e sentei um pouco com os amigos e ele estava na mesma mesa. Ele me beijou e abraçou pelo dia das mães. Tocava uma música na máquina cujo refrão era: "aprendi uma grande lição", ele cantou no meu ouvido e sorriu.

Sim, sim, ele vai tentar novamente. Azar o dele.

Esclarecendo que eu gosto de poesia sim, não gosto é de blog que só publica poesia...

A solidão e sua porta
Carlos Pena Filho

Quando mais nada resistir que valha
a pena de viver e a dor de amar
E quando nada mais interessar
(nem o torpor do sono que se espalha)
Quando pelo desuso da navalha
A barba livremente caminhar
e até Deus em silêncio se afastar
deixando-te sozinho na batalha Arquitetar na sombra a despedida
Deste mundo que te foi contraditório
Lembra-te que afinal te resta a vida
Com tudo que é insolvente e provisório
e de que ainda tens uma saída
Entrar no acaso e amar o transitório.

9 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Gostei de ver, mulher!!!! Reduziu a criatura machista que não vale um tostão a pó.... ahahah

Gosto quando vejo mulheres trabalhando sua auto-estima para serem seres humanos melhores! Não podemos viver de migalhas mesmos, não podemos e principalmente não merecemos!

Sei como é esse trabalho de resgate da auto-estima, é dificil, é diário, mas vale à pena!

Beijos

marcinha disse...

Oi Miga!

Você sabe o quanto fiquei feliz com essa virada, pois sempre batalhei para que se desse mais valor e não deixasse esses homens merdas dominarem sua vontade! Estou orgulhosa de você! Quero ouvir muitas outras histórias como essa, pois assim terá chances de encontrar um cara que te valorize realmente! Bjs

Suzi disse...

Entendo esse passo, a sensação de vitória. Não é alegria porque derrotou o outro. Mas, simplesmente, porque souber vencer.
Isso é bacana. É um passo. E é assim. Um passo de cada vez. Alguns longos, outros menores, mas sempre adiante. Andra pra trás não adianta.

Não entendi o recado do gostar de poesia; deve ter endereço certo, rs.
Mas concordo contigo. Blogs temáticos, de modo geral, também me cansam. E poesias não precisam ser só de amor. Também cansa. rsrsrsrs

Essa, que vc postou tá linda. Mas não gostei muito da idéia de "amar o transitório." Gosto de amar o permanente. E quero que esta seja, ainda, uma saída.

beijos, j@de!

Carla Menezes disse...

J@de, adorei seu blog! Vi o link na PdH e assinei seu feed. Como vieram muitos posts, vou ler todos com calma, viu?
=*

Nathália disse...

Minha auto-estima sempre foi muito baixa, minha família definitivamente não é a família perfeita de comercial de manteiga.
Porém eu sempre disfarcei minha fraqueza e era muito arrogante e prepotente. Isso desde os 12 anos de idade!
Daí eu encontrei alguém que conseguiu mostrar pra mim tudo o que tenho de bom. E se não fosse a ajuda dele, sozinha eu não teria conseguido, porque sinceramente, essa coisa de "é só querer" não é bem assim que funciona.

E eu adorei o malandro que se apossa de você. Hahaha

Beijo!

Anônimo disse...

Que bom passar aqui novamente e ler isso, amiga!
Feliz por você!
Render-se ao que não vale a pena...JAMAIS! rs
Saudade!
Dani Ela! rs

ps. tô no wordpress agora...relaxeidemais.wordpress.com

Ninguém disse...

Olá!
Entrei no seu blog procurando "homem dependente" no google. Estou passando por um processo de separação e fico tentando entender a cabeça dele. Mas, por causa disto, comecei a tentar entender a minha também. E não é que tudo que você escreveu nest post é idêntico ao que sou hoje? Não vou dizer a parte que você disse que "aprendeu", porque ainda nem comecei a aprender ainda... Mas, após ler isto, vou te confessar: tinha um caminho que me levava para a depressão e outro para o "siga em frente". Tenho certeza de que você me ajudou. Vou pelo segundo caminho. Obrigada!

Anônimo disse...

Opulently I acquiesce in but I contemplate the collection should prepare more info then it has.

Anônimo disse...

olá.......entrei no google pra ler sobre viver de migalhas e encontrei seu texto, vi que existe uma possibilidade de melhorar a auto estima, pois minha historia é bem parecida, me entrego no relacionamento me envolvo e acabo sofrendo, a outra pessoa mesmo me desprezando, ainda fico com ela, vivendo de migalhas, só pra ter um minuto de carinho, os minutos seguintes são de desprezo, desamor,e ofensa, chego a querer ajudar financeiramente pra ver se tem melhor da parte da pessoa, mas nem assim, no final acaba achando que tenho por obrigação em ajudar mesmo, dai me afasto pois fico triste em perceber isso, a pessoa nem ai pra mim, não procura, não me liga, eu como carente e baixa auto estima, volto a procurar, me rebaixo, chego a pedir perdao pelo que a pessoa fez me fez, ao inves da pessoa me pedir o perdão, em outro momento, me liga só quando convem, me chamando pelo apelido "minha preta", sabendo que adoro que me chame assim, dai vem o pedido de algo pra mim, bastou essa palavra "preta" vou como cachorrinho atrás, é mais forte que eu, não sei como me ver livre disso, sofro muito, me sinto muito sozinha, triste, e parece que preciso viver de migalhas, ate quando isso, já não sou mais adolescente, sou uma mulher quarentona, e agindo como criança, e ainda aguentando ser tratada como um lixo, onde vem ofensas, palavras que chateam, enfim......me mande palavras fortes onde posso estar tentando me levantar, onde poderemos nos contactar, pois tenho familia, não tenho amigos e me sinto muito sozinha, mesmo se estiver junto de uma multidão, já fiz terapia e não consigo mudar, tenho o coração muito bom, gosto de ajudar as pessoas que estão ao meu convivio, parece até que faço isso pra ter as pessoas por perto, que me ve como pessoa boa, na verdade sou uma farça, sempre vive de aparência, mostro ser o que não sou, não me entendo mais, estou perdida, sem direção, sem nada e nem ninguem....mas ainda sou uma pessoa do bem e tenho DEUS em meu coração e procuro elevar sempre a ele meus pensamentos quando me sinto assim. como é dificil viver assim, uma vida inteira, carente,sozinha,infeliz,vivendo de migalhas quando oferem isso pra mim, cansei, preciso mudar, me ajude. MULHER CARENTE DO INTERIOR