quinta-feira, janeiro 13, 2011

O dinheiro não é tudo, mas é 100%.

Falcão

Eu não sou organizada com dinheiro. Já fui muito perdulária e compulsiva, comprava pra compensar. Era mais jovem, ganhava mais e ainda contava com a condescendência do meu ex-patrão. Hoje, sou mais controlada, pela maturidade, pelo fato de que ganho um terço do que antes e também por influência da Dama de Cinzas que é tão organizada e sempre me dá uns toques.

Acho que há um tabu tão grande que ninguém nem fala, falar em dinheiro, é como falar sobre sexo. Nesses quase dez anos de blog, não me lembro de ter lido posts falando sobre isso. A não ser dicas financeiras, mas é diferente...

Há alguns anos, assisti uma palestra na Federação Espírita Cristã de Niterói, e foi dito que o maior teste pelo qual o ser humano passa numa encarnação, é o teste do dinheiro... e a maioria falha!

Pois bem, eu gosto muito de dinheiro. Não sou escrava, acho que ele é que tem que me servir. Gosto de poder comprar as coisas que quero, para meu conforto, para meu prazer.

Se empresto dinheiro ou alguma coisa pra alguém é como se não me pertencesse mais. Eu posso até cobrar, mas será apenas uma vez, acho que cada um sabe da sua responsabilidade. É claro que eu fico puta da vida, mas não fico remoendo.

Mas tem gente que acha que quem é mais desapegado tem obrigação de dar. São os coitadinhos, vítimas que acham que o mundo lhes é devedor! Tem gente que acha que porque você tem dois, deve dar um pra ele, sabem??

Essas pessoas fingem ser suas amigas durante anos, e você nem percebe, até a hora em que a relação esbarra no vil metal. Aí você vê o quanto aquela pessoa só se interessa no que você tem para dar.

Pelo que entendi naquela palestra, o teste não é pra ver quem é menos gastador e mais poupador. O grande desafio está em como você se relaciona com alguém, no momento em que dinheiro e bens estão envolvidos...

Posso perdoar e esquecer um calote, mas não gosto de me sentir explorada, minha relação com aquela pessoa jamais será a mesma. Talvez seja esse meu teste...

10 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Pois é eu sou boa para lidar com dinheiro! Sou pão dura quando acho que algo não tem tanto valor, mas gasto dinheiro sem problema com o que acho que vai me fazer bem. Mas tudo de uma forma extremamente calculada, como você bem sabe.

O problema é que algumas pessoas que convivem comigo acham que porque sou controlada, ou porque não tenho filhos, que meu dinheiro se multiplica no banco e isso não acontece. Tenho muitas contas, o que faço é movimentar o dinheiro entre as despesas para que sobre algum. Mas é meio difícil explicar isso para algumas pessoas, principalmente na minha família.

Enfim, gosto do jeito que sou, não exploro ninguém e odeio também quando alguém vem me explorar, fecho logo o jogo e fica difícil de conseguir algo comigo. Assim foi com meu pai...

Beijocas

Pattr!cia disse...

Pegou bem no ponto agora. Também me sinto como você.

Eu já tive dinheiro. Já ajudei demais. Já tive a minha casa cheia de "amigos" comendo e bebendo do que meu dinheiro podia proporcionar. Já comprei sem precisar.

O meu dinheiro foi-se (roubada pelo ex marido). As pessoas que ajudei sumiram quando eu precisei de ajuda. Já tive AMIGOS estranhos (aqueles que tem atitude de amigos, mas você nunca viu na vida) que me ofereceram cesta básica. Hoje por causa do dinheiro ser regrado ao máximo penso, calculo e analiso se realmente preciso comprar.

Como estou me reerguendo, algumas pessoas também estão aparecendo.

Como diz minha mãe: Dinheiro é um mal necessário com o poder de te levantar e de te derrubar.

Beijos

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Sentir-se explorado...

é mesmo muito mau!

Saudações poéticas

Tatiana disse...

Jade querida!!
Eu vivo aprendendo sobre esse assunto financeiro..rs..
Marido tem me ajudado muito em ser mais controlada e menos mao aberta.Agora mesmo estou aprendendo a lidar com o quickBook, nossa...um super passo pra mim!!!
Em relação "aos em volta"...o negocio é complicado mesmo, cada um que aparece que Deus me livre!!
Adorei o post, com certeza um assunto com muito pano pra manga!!
Beijocas!!!Tava com saudades daqui!

Afrodite disse...

Amore,
Eu não empresto dinheiro a amigo,só se quiser perder a amizade...
E dinheiro é tudo sim.
Quem vem com kaô de que ele não traz felicidade dou o seguinte conselho:
'Me dê o seu e seja feliz!'
kkkkk
Beijo!

Sujeito Oculto disse...

Não tenho apego a dinheiro, mas administro bem o que ganho.

lua prateada disse...

Concordo plenamente com tido o que disseste...e...qé muito...eu que o diga sem um tostão sem trabalho sem nada....portanto...quando tinha sempre dei talvez tivesse dado demais ou de menos? já nada sei mas que o dinheiro é bom é sim senhor e dizem que não é dinheiro que traz felicidade...não traz toda mas que a maior parte depende dele depende pois...

Beijo prateado

SOL

disse...

Eu sou bem controlada até, antes de comprar alguma coisa analiso quais são as suas utilidades e se preciso daquilo.

Eu conheço pessoas super novas (na casa dos 18,19) que não pagam uma conta em casa e têm dívidas quilométricas... Devem 5 mil pra um banco, 3 mil pra outro e assim por diante... Vivem tirando empréstimos pra pagar alguma dívida, sendo que está fazendo outra... Complicado!

Recentemente, uma mulher do meu bairro foi despejada do apartamento por não pagar a prestações do financeamento... E não foi por falta de grana que ela não pagava, pois ela sempre estava SUPER bem vestida (roupas de marca), vivia no salão de beleza, andava de taxi pra cima e pra baixo, entre outros luxos...

Mó triste a situação dela, mas
temos que ter noção do que a nossa realidade permite, né?

Bjos

Flor de Lótus disse...

Oi,J@de!Lendo seu texto me lembrei do livro que li da Zibia Gasparetto tudo tem seu preço.Que nesta vítima ninguém é vítima se as pessoas nos fizeram de bobas foi porque em algum momento nos permitimos que elas fizessem isso conosco quando o assunto é emprestar nome e dinheiro sou bem restrita,só empresto para familiares e dependendo dos familiares porque se a pesosa não foi capaz de cuidar do seu nome porque ela cuidaria do meu?
Então é preciso ter muito cuidado mesmo.
Beijosss

Flávia - Compartilhando Idéias... disse...

Oi Jade!

Meu marido sempre foi da opinião de que, para acabar com uma família inteira, basta colocar dentro dela uma herança a ser repartida.

Triste, mas é a realidade.

Concordo com você que a maturidade nos torna mais conscientes do valor das coisas e do dinheiro. Mas, mesmo assim, não deixo de gastar quando quero comprar algo que vai me dar prazer.

Cada um se relaciona de maneiras diferentes com o dinheiro. Se for uma relação bacana, ele nunca faltará.

Beijão e parabéns pelo texto.