quarta-feira, junho 13, 2012

Querido diário

Cara, minha vida tá uma merda.

Ando sem paciência, sem vontade, sem gosto, sem dinheiro, sem perspectiva, sem porra nenhuma!!

A depressão, minha velha companheira, hoje anda de braço dado com a ansiedade, a todo momento eu acho que vou morrer e nunca que morro, aí eu fico pensando que uma hora dessas eu acerto, né? E aí? Alguém vai sentir minha falta? 

Enquanto isso o tempo tá passando... não sou mais jovem, mas não me sinto uma senhora. A ansiedade é a vontade de ter algo que eu não consigo exatamente identificar. Só sei que tem a ver com relações humanas. 

Não gosto de me sentir inconveniente, se eu procuro alguém e não percebo recíproca, eu logo me afasto. E não quero cuidar de ninguém.

Não tenho muita vontade de interagir ou conversar porque não quero ficar me queixando, e conhecer gente nova me parece mais do mesmo. Ao mesmo tempo, queria ser convidada, procurada, sinto falta de papear.

Não quero namorar novamente porque não tenho paciência pra conversinha reprisada da maioria dos homens. Quero culpar meu pai, quero culpar meu ex-marido, se hoje eu não me entrego nos relacionamentos. 

Tudo que nos acontece, é responsabilidade nossa. Não é culpa do meu pai ou do ex-marido, é minha.

Mas me sinto muito só e desamparada. Às vezes lembro de uma pessoa que fui, ou acho que fui... independente, alegre, bem humorada, espirituosa, atraente, esperançosa nas relações, que ainda sonhava em encontrar um cara legal por aí.

Então é um ciclo sem fim, eu não dou chance a ninguém ou ninguém mais me acha atraente? Existem muitas mulheres por aí melhores que eu? 

Hoje me sinto refém de uma vida que eu acho que não merecia ter. Fechada e sem querer me envolver com ninguém porque não consigo confiar.

Não consigo confiar em ninguém.

Já fiz terapia, tratamento com florais e agora homeopatia. Tudo que faço pra melhorar é exatamente o que me afasta das pessoas. 

E parece que eu tenho a obrigação de me explicar o tempo todo!! Porque eu faço piadas sacanas e falo palavrão, porque tenho crises de psoríase, porque tive uma crise agora!!

Cada vez menos gente me procura e, se por um lado eu gosto, porque não quero ninguém me enchendo o saco, eu sinto falta, porque não sou uma ilha, gosto de contato.

Estou como o Poema do Beco, de Manoel Bandeira:

Que importa a paisagem, a Glória, a baía, a linha do horizonte? — O que eu vejo é o beco.

3 comentários:

Cristina disse...

Caramba... Tenho a impressão que você conversou comigo e escreveu esse post falando de todas as minhas queixas.

Você escreveu todos os meus sentimentos. Só me resta a pergunta:
O que fazer? Pois eu não sei.

Dama de Cinzas disse...

Eu entendo do que fala porque sei que no fundo minha vida ficou assim também, me sinto meio que isolada do mundo.

Sei que relacionamentos seja de que tipo for é uma via de mão dupla, mas nesse caso acho que colaborei bastante para ficar assim.

A verdade é que se vc não procura não será procurada, essa é a regra.

Beijocas

Cristine disse...

Nossa, até me assustei, pensei que você tivesse copiado algum texto meu, pq vc usou as mesmas palavras que eu usaria, e o mesmo conteúdo, exemplos, enfim... essa aí tb sou eu!

O lado bom é que não estamos sós, você e eu... Assim como nós, tantas outras pessoas sentem a mesma coisa, o mesmo conflito entre querer companhia e não querer, ao mesmo tempo. Coisa doida... mas pelo visto, mais comum do que eu supunha.