segunda-feira, julho 23, 2007

Quer namorar comigo??

Li no blog do Muneo um post sobre um conselho dado a um amigo que tinha problemas no casamento.

Eu achei o conselho tão interessante e sensato e ao mesmo tempo tão fofo, que comentei brincando se ele queria namorar comigo.

Ele comentou de volta: "Se vc morasse mais perto, quem sabe... =)
Como a senhorita disse que nao queria cuidar de marmanjo, com certeza vc perderia a paciência comigo! Sou um marmanjo bebezão... =P


Prá variar fiquei pensando... primeiro porque ele é uns tantos anos mais novo que eu, e o tratamento entre nós é de igual prá igual, eu acho isso muito legal da parte dele. Segundo porque fiquei imaginando o que é que não quero cuidar num marmanjo, o que não tenho paciência de aturar.

Bem, prá começo de conversa, eu odeio homem (gente em geral) que se faz de bobo quando está com uma mulher de personalidade forte, sabem? Fica querendo que ela tome a iniciativa até prá chamar prá trepar eu heim!! Tô fora!!

Detesto também homem que mora sozinho ou com a mãe e cisma de se enfiar na casa da gente querendo "casa, comida e roupa lavada". Sinto muito, nem para o Brad Pitt eu faço isso!!

Prá morar comigo o sujeito tem que ser independente, um faz uma coisa, o outro faz outra, ou então juntamo-nos para pagar uma empregada, porque eu gosto de casa limpa, mas eu também odeio serviço doméstico!!

E não é que eu não goste de paparicar, ao contrário, eu adoro!! Levar café na cama, encher de beijinhos, comprar um doce, ou um cd que eu sei que meu amor gosta. Qualquer dos meus amores, meu filho, um amigo ou um namorado.

Mas quero retorno, assim como gosto de fazer, gosto de receber!! O que eu odeio é gente folgada, de todo tipo!!

Acho que a pessoa que você ama é justamente aquela que você tem que tratar sempre com deferência, afinal, é a pessoa que você diz que ama pô!! Tratar bem quem é estranho em detrimento de quem está próximo?? Ah eu heim, o estranho que se foda!!

Sabe como? Tem homens (ou parentes) capazes de elogiar a mulher do amigo, pela beleza, ou por uma conquista profissional, mas a sua pode pintar o cabelo de roxo ou virar presidente de uma multinacional que ele não fala nada!! Ah, fala sério!!

Aprendi isso de uma forma dura, porque meu pai nunca se incomodou em demonstrar afeto e carinho, acho que ele pensava que o amor estava subentendido pelo fato de sermos filhas. Toda essa demonstração de afeto era com amigos e estranhos.

E dói você ver quem mais deveria demonstrar amor por você é quem simplesmente não liga. Quando me dei conta que sem querer ou por costume fazia às vezes a mesma coisa com meu filho, mudei imediatamente minha postura!!

Pois bem meu amigo, lá foi você me sacolejar novamente!!

Para o post não ficar mais maior de grande do que já está, vou postar um conto de Lya Luft, chamado Canção das Mulheres. Amanhã posto a Canção dos homens tá?

Porque ela é capaz de nos fazer seriamente parar para pensar em que posição nos colocamos nas nossas relações familiares, fraternais e principalmente amorosas.

Muitas vezes, basta colocarmo-nos no lugar do outro e lembrar de algumas frases desse conto.

Canção das mulheres
(Lya Luft in "Pensar é Transgredir", Ed. Record, 2004)

Que o outro saiba quando estou com medo e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.
Que o outro note quando preciso de silêncio e não vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos se precisar ficar um pouco quieta.
Que o outro aceite que me preocupo com ele, não se irrite com minha solicitude, e se ela for excessiva, saiba me dizer isso com delicadeza ou bom humor.
Que o outro perceba minha fragilidade e não ria de mim nem se aproveite disso.
Que, se eu faço uma bobagem, o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes.
Que, se estou apenas cansada, o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais.
Que o outro sinta quanto me dói a idéia da perda e ouse ficar comigo um pouco - em lugar de voltar logo à sua vida, não porque lá está a sua verdade, mas talvez por culpa ou acomodação.
Que, se começo a chorar sem motivo depois de um dia daqueles, o outro não desconfie logo de que é culpa dele, ou que não o amo mais.
Que, se estou numa fase ruim, o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde nem dizendo: "Olha que estou tendo muita paciência com você!"
Que, se me entusiasmo por alguma coisa, o outro não a despreze nem me chame de ingênua, nem queira fechar essa porta necessária que se abre para mim, por mais tola que lhe pareça.
Que, quando sem querer eu digo uma coisa bem inadequada diante de mais pessoas, o outro não me exponha nem me ridicularize.
Que, quando levanto de madrugada e ando pela casa, o outro não venha logo atrás de mim reclamando: "Mas que chateação essa sua mania, volta pra cama!"
Que, se eu peço um segundo drinque no restaurante, o outro não comente logo: "Poxa, mais um?"
Que, se eu eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire.
Que o outro - filho, amigo, amante, marido - não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não estou podendo ser nada disso.
Que, finalmente, o outro entenda que mesmo se às vezes me esforço, não sou, nem devo ser a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa, vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa - uma mulher.

7 comentários:

Segredos da Esfinge disse...

Me dá um lenço... ou melhor um lençol...
É esse seu bom humor com esse misto de emoções que me faz rir e chorar ao mesmo tempo.
E, eu tô na lista dos amores, né?!? Até ganhei CD que tanto gosto.
Fica !braba" não, mas eu vou roubar o textp tá! Hj tô parecendo trombadinha, porque vou roubar a frase de Marcelo também. Já avisei até a esposa dele.
Beijos
**AH! Tô torcendo pro Muneo te perdir em namoro.

Muneo disse...

Lindo esse texto Canção das Mulheres!!!
Esses textos sobre cobrança sempre me fazem refletir se eu errei com algumas pessoas. Se eu exigi de pessoas e acabei desgastando-as!

(pausa)

E num é que fez um post mesmo!!! uahhahah!!!
Tá vendo como você não gosta de marmanjo bebezão! uahahha! No final pensei até que você iria escrever que por virou lésbica!
To brincando!!! Mas sabe essa coisa de homem deixar pra mulher decidir tudo? Acho que tem a ver um pouco com o instinto animal não? Sei lá, o filho é criado pela mãe com todo o carinho (Freud) e ai quando encontra uma mulher decidida, acaba sendo "adotado" por ela!
Ai que entra a questão de estar consciente sobre isso e não deixar que isso aconteça.
Enfim, homem tem que ser homem! (vide conselhos do site Papo de Homem) senão vai ser um marmanjo que a mulher cuida e piriga(sic) tomar um belo de um chifre!

Muneo disse...

Ahhh, esqueci, como to mudando fisicamente de cidade, vou te adicionar so quando estiver na nova cidade! Nao fica chateada nao viu!

(parece besteira, mas dessa fase nao quero levar nada. Espero comecar uma nova fase e ai vc fara parte dela!)

Bjm

J@de disse...

Muneo meu amor, eu penduro a chuteira, mas não viro a casaca, nunca!! Se tem um treco que eu não gosto é "treco" de mulher... ahahahahaha!!!
Beijos e espero vc na nova fase e que bom que eu vou prá ela!!

drika disse...

ahahah adorei esse coment aqui em cima!
"Se tem um treco que eu não gosto é "treco" de mulher"
é uma coisa muito estranha mesmo!
ehehehehe

qto ao post, amei essa canção, posso roubar pra postar um dia?
beijo, boa semana.

°Nathália° disse...

Esse post todo foi perfeitão *__*

Fiquei apaixonada pela Canção Das Mulheres!! Copiei e Colei para minha pasta de textos... Rs.

Beijos!

Dani disse...

Lya Luft!! Ótimo! adoro...
Eu tbém sinto essa falta de carinho. Quando a gente ama, realmente se entrega ao outro até o limite, sim, porque existe um limite. É aquilo que vc disse...eu dou todo amor do mundo mas, quero receber tbém!
Estou vendo que vc cria bem por demais seu filhinho...isso tudo que ele aprende hoje, como certeza, será repassado para alguém no futuro. As pessoas são o reflexo de como foram criadas!
beijos