segunda-feira, outubro 08, 2007

Reflexões depois dos quarenta.

A expectativa de vida da humanidade aumentou muito desde a Idade Média, estamos vivendo mais e com mais saúde, mas sinceramente acho que o ser humano não está acostumado a viver tanto!!

Se os quarenta anos são os novos vinte, então os trinta são os novos dez. E só assim essa notícia faz sentido.

O bonito disse que ficou sentidinho com o patrão porque ele ignorou a caixinha de jujubas que ele lhe deu de presente, e que ele devia se importar um pouco mais... ah uma surra de pau num "filhadaputa" dessas!!

Que se dane que o comentário é politicamente incorreto, mas eu não entendo o que acontece com essa geração que hoje tem 30 anos. Será que o Estatuto da Criança e do Adolescente não está sendo bem interpretado por seus pais que estão criando uns adultos bundões?

Tenho certeza que se esse imbecil tivesse ouvido mais NÃOS durante sua vida, não agiria dessa forma com trinta e um anos!! Eu heim, esperando reverência por causa de um gesto que, pelo que disse a reportagem, faz parte da tradição do país?

No começo do século uma pessoa com dezoito anos era adulta. Hoje gente com mais de trinta vive com os pais, se preparando profissionalmente. Essas mesmas pessoas casam, separam, voltam prá casa dos pais que pagam pensão ou assumem a criação dos seu filhos.

O filho de um vizinho fugiu pro morro e lá ficou por dois dias. Com as drogas. Uma vizinha que também usa drogas subiu o morro e encontrou o moleque. Meu vizinho diz que conseguiu resgatar o filho, mas reclamou muito que alguma pessoas o viram naquele ambiente e nunca lhe disseram nada.

Ora, um homem com 47 anos não consegue perceber um adolescente usando dogas? O que ele é, o rapaz da bolha?

Ontem, falando sobre isso, ele complementava sua argumentação dizendo que todo dia tem que perder para o filho, querendo dizer que o filho tem prioriade... e eu disse que não perco para o meu, porque o adulto sou eu e ele tem que aprender, a ganhar de mim e a conviver com frustrações, quando não ganhar.

Senão ele cresce achando que o mundo tem que aplaudir até quando ele soltar um pum!! É como a garota de doze anos que matou o pai porque não a deixou namorar. Será que essa garota está acostumada a ouvir não?

Eu heim, o que é que há com as pessoas desse mundo??

4 comentários:

Suzi disse...

A parada é a seguinte, Jade: as pessoas têm filhos e não têm compromisso com isso. Meus pais me diziam NÃO, minha mãe me repreendia com um olhar e eu entendia muito bem, me batia quando achava que era preciso, meu pai não podia comprar os brinquedos da moda, mas sempre tivemos amor, naquela casa. E eu não cresci traumatizada. Muito pelo contrário. Cresci aprendendo o respeito. E não tive um filho, até hoje, porque ainda não me acho competente. Educar é fogo!

Ale e Leo disse...

OI Querida!! ando sumida ne?
Bem.. sobre esse post, por incrivel que pareça uma vizinha que tem uma bbzinha de 7 meses nao usa a negativa com amenina, tudo pq? Ela chora qdo se fala NAO!
Qdo vi isso eu falei "Perai, se ela nunca ouvir NAO na vida, cmo vai ser la na frente?" ela nao vai saber lidar com isso! dai vai querer matar, quebrar tudo pq foi negada de alguma coisa/
Ai ai... esses pais.. o que hpa com eles heim?

Beto disse...

Concordo com a Suzi, parece que aboliram o Não das crianças faz um tempo. Eu, Graças a Deus, soube ouvir alguns nãos na vida e me acostumar com eles. Me acostumar a perder de vez em quando tb, mas sempre lutar pra vencer. É normal ficarmos putos, não somos de ferro, mas babaquice tem limite.
um bj

Rubina disse...

Muito bom texto Jade. Profundo!